O ruivo solteiro

Capítulo 8

Durante a tarde Ben pegou o violão e cantou para as crianças. Mais tarde Liv e Alice dançaram com as meninas. Era uma família muito animada. Alice dançava muito bem, mas Liv era fora do comum. Parecia uma pluma. Diana sabia que Jorge era bailarino, e tinha visto ele dançar algumas vezes, mas quando ele e Liv dançavam juntos era um espetáculo. A noitinha Xande chegou para buscar a família, mas foi convencido a comer e tomar um banho de piscina, e jogar duas partidas de truco. Antes de saírem, Lia beijou todos. E Rick fez todas as recomendações sobre dirigir com cuidado para todos, inclusive seu pai e o Capitão do corpo de bombeiros, Xande. Eram mesmo muito amorosos e protetores. Foi um domingo maravilhoso.

Diana começou a semana muito animada. Segunda a noite quando chegava em casa notou um Creta parado na entrada do seu prédio. Ela e as irmãs moravam no mesmo condomínio. Todas no mesmo corredor. Era como se morassem num apartamento grande e tivessem seus próprios cômodos. Moravam lá há 5 anos. Diana conhecia todos os carros dos vizinhos, ninguém ali tinha um carro daqueles. Quando manobrou para entrar viu o Ruivo sentado na mureta. Guardou o carro, mas não subiu pela garagem. Foi até ele.

__Oi Diretor. Algum problema?- Ele respondeu de cabeça baixa.

__Carlos.

__Como?

__Se não gosta de me chamar de Ruivo, pode me chamar pelo meu nome.-Olhou para ela.- Diana o que foi que meu pai disse a você ontem?_ Ele parecia angustiado.- Olhe, eu não… Escute, conheço meu pai. Sei que ele estava aprontando alguma coisa. Não sei o que te disse, mas se tinha alguma coisa haver com o que sinto por você… Desculpe. Ele só quer me ver feliz. Os  meus pais  são assim. Ele é muito bom, mas acaba sempre se metendo nos assuntos da gente. Eu nem sei como me desculpar…-Suspirou.- Diana eu…pode me dizer o que ele disse para que possa tentar me desculpar?- Diana pensou um segundo. Resolveu dizer a verdade.

__Disse que você está apaixonado por mim, que anda pela casa a noite toda, tentando encontrar um jeito de me conquistar. Disse que você tem medo de me assustar, por isso não chega nem perto de mim. Mas que está sofrendo e como nunca passou por isso antes, não sabe como agir.- Ruivo perdeu a cor, depois ficou vermelho. Mas não disse uma palavra.- Ué, pensei que fosse se desculpar ou se defender. – Ela esperou mais um segundo.- Já que está organizando seus argumentos, poderia também me explicar porque tive a nítida sensação que você sabe que tenho problemas com ruivos de olhos verdes?- Ele abriu um pouco os olhos, depois os fechou e respirou fundo.

__Certo. Vamos a verdade então. Pode sair um pouco comigo? Já que vamos ter um interrogatório, talvez fosse melhor um lugar mais reservado, a calçada não me parece muito apropriado. Pode ser no Café Coringa, é aqui perto. Conhece?__Diana conhecia, era um lugar claro, bem frequentado.

__Tudo bem. Vou avisar Alex.- Assim que se sentaram, Ruivo pediu água, suco de maracujá e um croissant, Diana só quis suco de laranja.

__Ok, vamos acabar logo com isso. – Disse o ruivo corajoso.- É verdade, estou apaixonado por você. Sempre te achei linda, mas não tinha entendido os meus sentimentos até que ouvi sem querer, você descrever meus olhos para as meninas do orfanato. Meu coração disparou dentro do peito quando percebi que você tinha reparado neles. Jorge me disse que você não se sente bem com galanteios e investidas masculinas, por causa do que sofreu. Eu entendo, mas fiquei perdido. Não sabia como chegar até você sem te ofender. Depois Alex me contou que o homem que te feriu era ruivo como eu. Fiquei muito triste. Entendi que deve ter sido muito ruim para você conviver comigo. – Ele baixou os olhos.- Se faço você lembrar de coisas que gostaria de esquecer, me desculpe, eu não sabia…Não tinha como saber, e nem tenho como evitar. Sempre serei ruivo, como você sempre será negra. A  diferença é que você só me faz sentir bem, lembrar coisas lindas, eu gosto de estar com você. Mas compreendo que você prefira ficar longe de mim. O caso é que meu querido pai, me viu acordado uma noite dessas. Ele quis saber o que estava tirando meu sono.  Ele e Ben, são meus melhores amigos. Ele me conhece, sabe como arrancar de mim tudo o que quer. -Riu- Contei a ele o que sinto por você, claro.  Mas também expliquei que não me quer por perto. Pensei que estava tudo entendido, mas fui um tolo. Ele nunca me viu assim, é lógico que ele não deixaria essa passar. Desculpe-me, por favor?

__Alex falou para você sobre meu agressor?- Ela parecia horrorizada. O Ruivo pensou que tinha colocado o garoto em maus lenções. Foi defendendo o menino rapidamente.

__Ele não fez por mal. Me perguntou se estava interessado em você, quando afirmei ele quis apenas me fazer entender a sua rejeição. Ele não quer que você sofra, estava tentando protege-la é só isso.

__Minha rejeição? Quando foi que eu fiz isso?- Diana parecia furiosa agora.

__Diana. – Suspirou.- Você me evita, não olha nos meus olhos. No casamento de Ben dançou comigo sem me tocar, ou tocando o mínimo possível. No Fórum na escola ficou do outro lado do palco. Nos almoços de família só conversa comigo quando todos estamos juntos.  Nos conhecemos desde o caso de Alana, você trabalha com meu primo, e eu só soube que Alex, meu aluno, era seu filho, aquele dia no hospital, quando Liv foi sequestrada. Hoje entendo sua distância. Mas antes achava que não gostava mesmo de mim.-Riu.-  Antes era até engraçado ver você me evitar. Agora que  compreendo melhor meus sentimentos, devo admitir que dói um pouco. Mas tudo bem,  a vida é cheia de desencontros. Você não é obrigada a me querer só porque é amiga da família…- Ela segurou a mão dele, fazendo ele parar de falar.

__Quer por favor, calar essa boca e me deixar explicar!- O Ruivo, surpreso ficou em silêncio.- Obrigada. _Suspirou-  Estou espantada, Alex nunca fala disso com ninguém. É verdade meu carrasco era ruivo e tinha olhos verdes, e era alto e forte. Mas eu era uma criança. Essa era a impressão que eu tinha dele então. Naquela época ele era muito mais velho que você é hoje, tinha uma barba comprida, uma cicatriz no rosto, um olhar assustador. Sim, tenho pesadelos até hoje com o que aconteceu. Graças a Deus Alex não se parece com ele. Alex se parece fisicamente com meu pai, que infelizmente também não prestava, e batia muito em mim e nas minhas irmãs. Os olhos verdes de Alex, cor de jade, são iguais aos do meu pai. Meu irmão também tinha olhos desta cor. Os seus olhos cor de esmeralda, com essas ranhuras mais claras, também são muito diferentes dos olhos daquele monstro. Você tem os olhos mais lindos que já vi. Mesmo seu irmão, não tem esses desenhos tão bonitos que você tem. Quando os descrevi para as meninas disse que estava imune a eles. Mas não era bem verdade.- Ela ficou quieta, baixou os olhos. O Ruivo foi pego totalmente desprevenido. Ela acabara de dizer que ele a agradava, era isso mesmo? Como um Medeiros que era se recompôs rapidamente do susto. Sabia que era o momento de avançar, mas fez com cuidado.

__Por favor Diana, continue.- Ele disse num sussurro.- Me dê um sopro de esperança. Estive sem ar todo esse tempo, com o coração apertado. Me ajude a respirar, por favor. Não sei o que devo fazer. Não sei como te agradar. Não sei se posso te tocar. Não sei se me deixaria beijar você. Tenho sonhado muito com isso. Mas não farei nada que não queira. Nunca! Acredite em mim. Me diga o que posso fazer? Me diz como quer que chame você, minha linda? Tenho tanto medo de magoa-la.- Acariciou a mão dela, tão feminina.- Posso fazer isso?- Ela balançou a cabeça. Olhou para ele.

__Sim. Deixaria…- Parecia meio encabulada.

__Deixaria o que, amor?

__Deixaria você me beijar.- O Ruivo sorriu, seus olhos ganharam o mundo.

__Pode ser agora?- Ela olhou para as pessoas nas outras mesas, pareceu envergonhada.- É melhor que seja aqui, você já sabe que não passarei dos limites. – E riu, ela também. Entendeu que ele queria acalma-la.- Só um beijinho de leve, como um casal de adolescentes, pode ser?- Ela afirmou uma vez. O Ruivo se aproximou com cuidado, com carinho, tocou os lábios devagar, até que ela se acostumasse, que quisesse mais. Então aprofundou o beijo, se tornou mais apaixonado, como realmente estava. Sentiu seu sabor, sua timidez, seu perfume. Precisava parar. Não podia assusta-la  com a explosão de desejos que estava sentindo romper suas defesas. Terminou o beijo carinhoso, delicado, embora seu corpo implorasse por mais. Encostou a testa na dela e acariciou seu rosto.

__Posso chama-la de minha namorada, minha linda?

__É isso que chama de ir devagar?- Riram os dois.

__Tem razão, desculpe. É que tenho desejado muito isso, mas já tinha me convencido que não teria você. E de repente, como num passe de mágica, eu ganho o beijo mais doce da minha vida.- Sorriu encantado para ela.- Você tem o tempo que quiser Diana. Mas preciso que saiba, que quero muito ser seu namorado.- Diana olhou aquele par de olhos tão lindos e sorriu, não pode resistir.

__Certo, vou abrir uma exceção desta vez.

__Isso quer dizer que aceita ser minha namorada? Jura?- Ele parecia mesmo surpreso.- Ah, meu amor.- Beijou sua testa.- Desculpe se pareço tão exagerado. Tenho tentado manter meus sentimentos controlados, mas desde que entendi o que estava acontecendo comigo, eu perdi esta batalha. Me perdoe. Olhe, podemos ir devagar, no seu tempo. Você me diz o que quer que eu faça, e eu farei. Tem minha palavra. Só quero poder estar com você, sentir esse seu perfume de lírio.- Ela riu.- Acredite em mim.

__Acredito em você. Sempre acreditei. Mesmo quando achava que você era só um riquinho, mandão.- Sorriu.- Você não costuma esconder o que está sentindo, normalmente está tudo nos seus olhos.

__Se é assim, já sabia que eu estava louco por você. Sabia?

__Não conseguia entender direito essa parte. Não sei nada sobre esse tipo de relação. Minhas irmãs e meus cunhados se amam é claro, mas não são como os Medeiros. Eu nunca tinha visto homens sofrerem tão profundamente apaixonados por suas mulheres, como vi seus parentes. E ao mesmo tempo, nunca vi homens tão valentes lutando pela felicidade delas. Eu não sabia que isso existia de verdade.

__Pois é meu amor, sinto muito informar. Você acaba de entrar para o seleto rol das mulheres amadas por um Medeiros. Se se cansar de mim terá que me expulsar. – Riu, mas era mesmo verdade.- Estou muito apaixonado, namorada.-Encostou os lábios nos dela de levinho.- Por favor, me ensine a agrada-la. Não quero te perder. Diga o que gosta?- Diana sorriu.

__Gosto de  você. Você é divertido. Sabe conversar. Gosto de conversar com você.

__Verdade? Pode repetir isso? Eu vou gravar e mostrar para meus irmãos e meus primos. Vivem dizendo que sou um idiota.- Riram juntos.

__Também gosto disso. De rir com você. Tento ser bem humorada, não ser amargurada. Tenho conseguido, um pouco. Mas você é tão leve, tão naturalmente alegre. Como todos em sua família. É tão fácil ser feliz perto de você.- Ruivo acariciou seu rosto com carinho.

__Fico muito feliz que goste de estar comigo. E que se sinta bem com minha família. Sabe que para eles você e sua família, já são parte da nossa. Mesmo se não dermos certo juntos, isso não vai mudar. Na verdade nossos caminhos sempre se cruzaram. Meu avô era um dos filantropos que ajudavam a instituição que você cresceu, minha avó mandava livros e incentivava os estagiários do hospital onde sua irmã trabalhou desde novinha. Sua tia trabalhava para um amigo da minha família. Você recebeu o caso de Alana. Ben recebeu o caso da adoção das meninas de Dalia para analisar. E mesmo que nada disso tivesse acontecido, Alex ajudou Ben a salvar Liv. Se não fosse pelas habilidades dele, ela poderia ter se ferido, ou até morrido. Nada que fizermos pode pagar pela vida de Liv. E Ben nunca teria aquelas coisinhas lindas que o chamam de papai. Mesmo que Alex não fosse apaixonado por Clara e ela por ele, ele seria membro desta família para sempre.- Diana pareceu encabulada.

__Acha que sou uma mãe cruel por não querer que ele namore?

__Não. Talvez um pouco radical. – Sorriu.- Ele é jovem tem toda a vida pela frente. Estudar é sempre a melhor pedida.  Mas no coração não tem como mandar. Olhe meu caso. Desde o começo achei que você me detestasse, mesmo assim não consegui evitar me apaixonar por você.- Beijou a mão dela.- Veja o caso de Jorge, Alice era uns anos mais velha, ele tinha 15 anos, sabia que ela não estava interessada, mesmo assim sempre foi louco por ela e todo mundo sabia. Agora o caso de Ben, Liv disse com todas as letras que o via apenas como um irmão, ele sangrou como um cão, mesmo assim continuou desesperadamente apaixonado por ela. Meu tio Rick se apaixonou por Tia Lia, no instante que a viu. Não sabia quem era, se gostaria dele, se ele teria alguma chance, simplesmente se entregou. Já meu pai sabia quem era a mulher de sua vida todo tempo. Sabia que ela também o amava, e mesmo assim tentou fugir disso. O resultado foi um ano chorando no telefone, tentando saber dela por meio do meu tio. Ele me contou que quando a viu novamente, um ano depois, o coração parou dentro do peito. Em seguida batia tão rápido, tão forte que parecia que ia quebrar as costelas. Disse que um dia ela estava triste por um motivo qualquer, todos os instintos de proteção dele disparam, ele não tinha como evitar, a amaria para sempre. Acabou roubando um beijo. Quando a viu se afastando depois disso, a dor que sentiu, de perde-la, arrancou todas forças que tinha, não conseguia respirar. O desespero tomou conta dele. Entendeu que não adiantava fugir, nem dela e nem do amor que sentiria para sempre. Na minha família esse é algo comum entre os homens, amam intensamente. Foi isso que vi nos olhos de Alex quando me falou do que sente por Clara. Normalmente, eu teria feito uma piada, mas percebi que o que ele sente é verdadeiro. Sou professor, logo para mim a educação tem sempre prioridade. Também acho que eles podem esperar. Mas o que sentem um pelo outro, é mesmo muito forte.

__E entre as mulheres?- Olhou nos olhos dele.- Não quero que meu menino sofra.- Ruivo riu .

__Falou igualzinho minha mãe. Certo, os Medeiros não tem muitas meninas. Até onde sei, Liv foi a primeira. Ela é reservada, mas não temos dúvida do sente por Ben não é mesmo?

__ Acho que não. -Sorriu- Estava bem desesperada com ele baleado no chão do hospital. E pareceu bem sincera quando disse que tinha o sangue dos falcões, e que ficaria sozinha para sempre se ele morresse.

__Eu lembro. Foi um momento bem emocionante, apesar do pavor que eu estava sentindo. Já no caso de Clara, ela é cheia de mistérios, de talentos, é muito inteligente. Mas nunca  tinha visto ela apaixonada antes. Então quando a vi com Alex, foi um pouco estranho. Acho que fiquei com um pouco de ciúme. Eu só a dividia com Ben, e as vezes com Jorge.- Riu.- De repente ela tinha alguém em quem confiava tanto quanto em nós. E logo vi que a maneira como olhava para ele era diferente. Está disposta a se arriscar por ele, a esperar por ele. É uma lutadora. Não acredito que vai desistir dele facilmente. Esse é um traço de família. -Riu.

__Eu sei de outro. Essa alegria contagiante. Gosto muito disso.- Sorriu para ele. Ruivo se sentiu no céu. Não sabia como, mas tinha que conquista-la. Se não o fizesse teria um mar de sofrimento a sua espera. Não tinha mais volta, seu coração já pertencia a ela.- Bem acho que tem razão. Mas não consigo evitar sentir um pouco de medo.( continua…..

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s