O cavaleiro de olhos azuis

Capítulo 18

Passaram-se mais de três horas desde que Jorge chegara ao hospital onde Alice estava, e ainda nenhuma notícia de Alana. A polícia informou que quando chegou ao local o carro estava tombado, Alice estava sozinha, sem documentos e totalmente desacordada. Não havia no carro nem um vestígio de Alana, nem da cadeirinha. Alice deveria acordar a qualquer momento, ele não sabia o que dizer a ela. O carro estava sendo periciado naquele momento.  Ben conseguiu que as câmeras da rodovia fossem utilizadas, e Beto conseguiu que um delegado fosse agilizar a perícia. Carlinhos ligou para Dona Diana contando os fatos, pediu sua colaboração. Neste momento ela chegava ao hospital acompanhada do delegado e do perito. Olhou Jorge com tristeza e disse:

__Senhor não temos boas notícias. Realmente o carro de sua esposa foi atingido como ela contou. Por uma picape antiga, o carro parece ser roubado, mas este não é o problema. O fato é que as câmeras gravaram uma pessoa que saiu da picape e retirou Alana com a cadeirinha e tudo, e levou com ele. Deu para ver bem o rosto, foi Flávio.

__Deus do céu!.. Jorge sentou, as pernas bambas, isso não podia ter acontecido. O mundo estava desabando a sua volta. Diana viu o desespero tirar a cor dos olhos dele. Viu também um homem alto loiro,  com alguns cabelos brancos, na casa dos quarenta, muito forte, igual ao Jorge. O homem raivoso bradou:

__Se vocês não tivessem me impedido de matar aquele desgraçado aquela noite que encontramos Alice ferida, isto não estaria acontecendo! Já vou avisando que não vão me impedir desta vez.

__Não se preocupe pai, não vamos impedi-lo. – O tom de voz de Carlinhos assustou Diana. Então aquele era Roberto Medeiros o empresário. O outro senhor de olhos azuis e cabelos negros, iguais aos de Jorge completou no mesmo tom:

__Na verdade, vamos ajuda-lo. Ben, espero que esteja preparado. Terá muito trabalho nos tribunais.- Ben aproximou-se deles  falou baixo e firme, com  fúria nos olhos verdes:

__Sinto muito, não estarei apto para defende-los, mas tenho bons colegas.- Foi então que Diana e os outros ouviram a voz angustiada da moça ajoelhada na frente de Jorge com lágrimas escorrendo pelo rosto.

__Papai! Ben! – Os homens se voltaram para ela. Rick dirigiu-se para o filho que era o próprio desespero. O corpo inteiro de Jorge tremia, as lágrimas desciam em cascatas, ele não conseguia respirar. Rick esfregou-lhe as costas:

__Ei meu guerreiro, não desista. Sei que está nervoso, também estou, mas elas precisam de nós. Vamos filho, respire. – A voz de Rick estava ainda mais compassada, olhou Liv nos braços de Ben e disse. – Liv, vá buscar sua mãe, por favor. – Liv deu um passo e como se tivesse ouvido  chamar, Lia apareceu na porta do quarto. Olhou o cenário, caminhou rapidamente para Jorge. Diana nunca tinha visto aquela mulher. Era pequena, os cabelos compridos, enrolados, muito negros e estavam presos num rabo de cavalo. A julgar pelos filhos deveria ter uns quarenta anos, mas era morena não mostrava a idade. Muito bonita e elegante em um tubinho simples estampado, sentou-se ao lado de Jorge, ele deitou a cabeça em seu colo e chorou ainda mais, dizendo:

__Mamãe…ele vai feri-la. Ele … sempre quis machuca-la. Alice apanhou por anos para que ele não batesse em Alana. Deixou de dançar para não correr o risco de não estar em condições de protege-la.- Soluçou. – Como vou dizer isso a ela? Como conto para Alice que aquele monstro bateu no carro, para pegar Alana? – Chorou. – Alice vai acordar a qualquer momento. Está enfrentando uma gravidez de risco. Precisa de repouso, de tranquilidade. Como digo a ela que…. mamãe ele vai feri-la, a minha menininha. Vai machuca-la outra vez. – Chorou desesperado no colo de sua mãe. Lia olhou nos olhos de Rick, aquela comunicação sem palavras aconteceu de novo. Lia olhou os em volta, parou em Diana e os oficiais:

__Olá, a senhora é?

__Desculpe, não me apresentei. Sou Diana Vogelmamn, a assistente social de Alana. O Diretor Medeiros me avisou do ocorrido. Fui a vara da família para conseguir informações que já entreguei para a polícia, os oficiais Martins e Cunha pediram que viesse com eles para traze-las a vocês. – Lia balançou a cabeça. Respirou, os olhos úmidos, olhou Jorge:

__Meu amor, meu lindo menino bondoso. O que não daria para isso não estar acontecendo. -Suspirou.- Jorge, tem todos os motivos para estar desesperado. A mulher que sempre amou está grávida e ferida num hospital, a filha que  seu coração escolheu e que escolheu você como pai, está desaparecida e na mão de um lunático. Entendo seu desespero, sou mãe, mas justamente por isso posso te dizer que estar assim não vai ajudar. Precisa controlar sua dor. Olhe para mim, meu amor. – Jorge levantou soluçando. Os olhos em agonia. – Alice precisa de você, seu campeão, seu defensor, seu cavaleiro de armadura. Você precisa mostrar sua força. Ela precisa acreditar que vamos encontrar Alana bem. Para isso, você que é em quem ela mais confia, também precisa acreditar.

__Mas Flávio a pegou a horas, mamãe. Já  teve tempo suficiente para ….

__Mas ele não vai. – Disse firme e decidida. Todos a olharam surpresos, até os policiais.

__Como pode ter tanta certeza, mamãe?

__Se ele quisesse machuca-las, teria causado o acidente e ido embora. Flávio não é tolo, sabe que tem câmeras na rodovia. Sabe que vocês são poderosos, conhecidos, bem relacionados. Seria fácil descobrir os detalhes deste acidente. Ele queria ser identificado.

__Está dizendo senhora, que este homem planejou tudo isso?- Perguntou o policial.

__Senhor, este homem nos conhece, foi casado com minha nora. Sabe que daríamos tudo que ele quisesse para termos Alana de volta.  Mas sabia  que meus sobrinhos não permitiriam que ele tirasse a  garotinha da escola no horário das visitas. Também sabia que meu marido e meu cunhado estavam com Alana praticamente todo tempo na escola de artes, e qualquer outro passeio. E é logico que não tentaria tirar a menina de casa. Jamais enfrentaria meu filho,  é um covarde. Então precisava pegar Alana no único momento que estava somente com Alice, e Alice distraída. Por que se minha nora ou mesmo Alana desconfiasse de algo….

__Ele não teria conseguido. Por isso bateu no carro, para conseguir uma distração.- Disse Rick. – Sendo assim imagino que não demora muito vai tentar falar com um de nós. Vai exigir uma soma alta. – Olhou seu irmão e Beto pegou o celular no mesmo instante. Ben também.

__Então foi sequestro? Devo informar meus superiores. _Saiu rapidamente. Liv sentou-se ao lado da mãe, Jorge ainda tremia. Diana viu Carlinhos ajoelhar-se na frente de Jorge, como tinha feito com Alana meses atrás.

__Ei cara, se aprume! Sua filha está contando com você. Deve estar assustada, mas é muito esperta. Você sabe que ela vai tentar falar com você. Ela sabe que você está louco atrás dela. Do jeito que é corajosa, deve estar preocupadíssima com você.- Riu.- Vamos lá, cara. Respire, Alana está te esperando.

__Acha que ela… que Flávio não…

__Ei! Ouviu Tia Lia! Sabe que ela está sempre certa. O desgraçado não vai tocar num fio de cabelo dela. Ele quer dinheiro. Nós queremos Alana. Ele sabe. Se não cuidar direitinho dela, não vai receber o que quer. É um maldito, mas é esperto.

__O ruivo tem razão filho. _Disse Rick. –  Flávio não vai arriscar seu plano mirabolante. Depois de tudo que fez para pegar Alana, não vai correr o risco de te enlouquecer machucando a menina. Ele sabe que se ela for ferida…

__Eu mato esse desgraçado! – A voz de Jorge saiu firme, baixa, perigosa. E Diana ouviu em seu tom, uma verdade que não tinha ouvido nas ameaças dos outros.

__Jorge, tia Lia  tem razão em mais uma coisa. – Disse Ben.- Flávio foi muito esperto, ele nos fez pensar que tinha se conformado com o fim do casamento e com as visitas,  para ter tempo de preparar esse ataque. Precisamos ser mais espertos que ele, se quisermos pega-lo.- Jorge concordou com Ben. Precisava se acalmar, beijou as mãos da mãe :

__Vou fazer o que me diz, minha sábia mãezinha . Que Deus ouça suas palavras mamãe, por que se não for assim, não respondo por mim. – Olhou Diana.- Dona Diana nas informações que trouxe, tinha os endereços do Flávio?

__Senhor, compreendo seu sofrimento, mas não deve ir por esse caminho. A polícia vai fazer esse trabalho. Sua esposa precisa do senhor ao lado dela agora.

__Ela tem razão Jorge. – Disse Liv.- Diga a ele Ben, é perigoso. – Ben não disse nada, nem nenhum dos homens presentes. Liv arregalou os olhos e encarou seu pai:- Papai não pode deixar Jorge correr esse risco. Pode se machucar e arriscar Alana. Sei que estão todos nervosos, mas papai isso é loucura.- O silêncio persistiu. Liv voltou-se para Ben.- Ben, carinho, sabe que tenho razão, por favor, não podem caçar esse louco ele pode machucar Alana.- Ele a olhou nos olhos, abriu os braços e Liv se encaixou neles.- Carinho, por favor? Me ajude, precisamos convence-los.

__Olivia.- Disse sério.- Gostaria muito de poder ajuda-la, mas não é da natureza dos falcões ficar parados esperando. Sabe disso. Não posso segura-lo aqui. Na verdade, não posso nem mesmo me segurar aqui. Alana está sozinha com aquele desgraçado. Quando vi Alice machucada aquele dia, me controlei e jurei a você nunca mais permitir que ele machucasse elas. Tentei fazer isso dentro da lei, como mandam meus princípios, mas ele acaba de destruir toda a proteção legal que eu dei a ele. Se seu irmão não quebrar a cara dele depois disso, eu quebro.

__Ben, por favor?- Chorou.

__Ah, Liv. -Disse Carlinhos.- Sempre conseguiu convencer Ben, mas desta vez é diferente, meu docinho. Flávio mexeu com o que mais nos comove. Para a sorte dele, ele não é tão burro a ponto de ferir Alana. É covarde de mais para enfrentar qualquer um de nós. Demos a ele uma chance de sair inteiro desta história Liv, ele escolheu o fim que ela terá.

__Eles estão certos!- Disse um Beto revoltadíssimo.- Dessa vez esse Flávio me paga!- Liv virou para seu irmão.

__Por favor, Jorge? Pense em sua filha. Não vale a pena correr o risco de machuca-la. Entendo sua raiva, também a sinto. Mas meu amado irmão, se por causa dela Alana for ferida, você nunca vai se perdoar.- Jorge a olhou com fogo nos olhos azuis.

__De qualquer forma não poderei me perdoar. Eu não protegi minha filha como deveria. Permiti que aquele monstro a pegasse. Permiti que ele machucasse Alice outra vez. Lembra do que te disse quando contei o que ele fazia com ela? Lembra que avisei o que faria se ele machucasse ela novamente? Sabe que sempre cumpro minhas promessas. Eu avisei a ele também. Vou atrás dele agora até o inferno. Ele não vai escapar de mim.  Nada do que me diga vai me fazer deixar minha filha na mão dele.

__Jorge, pelo amor de Deus. Tente se acalmar, não foi isso que eu disse, você não é assim…

__Eu sou um Medeiros! Eu sou um falcão! E juro pela minha vida, Flavio vai se arrepender até o último fio de cabelo pelo que fez.- Neste momento o policial chamou Jorge e Rick para alguns esclarecimentos. Diana nunca tinha visto um pai tão transtornado como Jorge estava. Pelo menos não por uma filha que não fosse de sangue. Também nunca tinha visto homens tão determinados a livrar uma criança. Pelo menos não quando a criança não era sua. Mas essa família era diferente. Os homens choravam em público, dançavam com criancinhas surdas, pagavam qualquer quantia para que a filha de uma quase parente ficasse livre, tinham rompantes de fúria quando uma criança estava em perigo. As mulheres pareciam frágeis e delicadas, mas eram visivelmente inteligentes, sóbrias e valentes. Liv a bailarina, insistia com seus primos e seu tio  para chama-los a razão.

__Não posso acreditar que todos vocês vão deixar Jorge fazer essa loucura. Você! -Apontou Carlinhos.- É um professor. Um educador. E você, é um advogado. Um homem da lei. E o senhor Tio Beto, como pode permitir isso? Acha que Vovô Rodolfo concordaria com isso? E o Vovô Carlos? – Ben  pegou seu braço e a trouxe para perto dele:

__Olivia, escute,- Suspirou.- Não adianta. Nada do que disser vai parar Jorge agora. Você melhor que ninguém, sabe que ele vai defender Alana com todas as forças dele. Olhe, somos assim. Nenhum de nós quis isso. Nos esforçamos para evitar esse confronto, você sabe. Olivia, Jorge encontrou Alice toda ensanguentada, cheia de hematomas, desacordada, com aquele bandido ajoelhado batendo nela. A única coisa que Jorge fez foi arranca-lo com força de cima dela. Ele não tocou nele. Eu segurei o idiota enquanto Jorge animava Alice. Flavio ainda se achava no direito de insultar Alice e Jorge. Seu irmão não fez nada. Mas você e todos nós sabemos que para conseguir isso Jorge precisou de todo autocontrole do mundo. Porque na verdade, ele queria arrancar a pele do Flávio, quebrar todos os osso dele. Embora ele sempre tenha amado Alice, quando isso aconteceu,  Jorge ñunca tinha nem beijado Alice. Olivia, seu irmão não tem como controlar a raiva que está sentindo. Esse pulha machucou a mulher da vida dele, levou a filha dele cativa. Eu sinto muito, amor, nada vai parar seu irmão. _Liv o olhou apavorada. Diana percebeu que ela sabia que o primo, tinha mesmo razão. Diana achou que a pequena e delicada moça ia desistir quando ela baixou os olhos respirando devagar, mas então ela ergueu o rosto devagar para o advogado, mirou os olhos verdes deles, com os azul cor de gelo dela. Diana viu um leve sorriso naqueles olhos tão claros. Liv olhou para sua mãe, que permanecia sentada, observando tudo. Elas trocaram o mesmo sorriso nos olhos. Jorge e o pai voltavam para o grupo. Liv caminhou calmamente para eles.

__Jorge, estava pensando em ligar para a floricultura, para pedir umas flores para Alice. Ela vai acordar logo. Não vai ser nada fácil para ela saber o que está acontecendo. Pensei que algumas flores pudessem, acalma-la um pouco, coitadinha.__Os olhos raivosos de Jorge mudaram na hora. Ficaram carinhosos e compassivos.__ Quais flores devo pedir? Ela gosta de margaridas brancas, não é? Mas pensei em pedir algo um pouco mais colorido, o que acha?- Jorge respirou fundo olhando sua irmã, deu um meio sorriso carinhoso, tocou o rosto dela, depois a puxou para seus braços.

__Desculpe, minha florzinha. Sei que só quer o meu bem e da minha família. Estou muito nervoso. Não quis gritar com você, perdoe-me.  Mas procure entender meu desespero, não posso ficar aqui esperando aquele crapula tomar alguma atitude. Se ele machucar Alana eu vou mata-lo.

__Feito!- Jorge a afastou um pouco do seu peito confuso.

__O que quer dizer?

__Se esse idiota machucar Alana, você arrebenta ele. Mas ele não vai fazer isso, né mamãe?

__Não, não vai.- Lia direta como sempre.

__Então, você pode encomendar flores para a sua esposa grávida e sensivel que vai acordar logo e precisa ve-lo confiante que tudo vai dar certo. Não é mamãe?

__Sim. – Lia encarou o filho.- Peça algumas rosas junto com as margaridas. O aroma vai ajudar a acalma-la um pouco. Já decidiu se vai contar a ela tudo o que está acontecendo?

__Porque Pequenina? -Disse Beto.- Acha melhor não contar?

__Não sei, ela está fragilisada. Talvez devesse perguntar ao médico.

__Acho que Lia tem razão. -Rick parecia um pouco mais calmo também.- E tem Carlos. Se contar a ela Carlos pode ficar muito emocionado, preocupado.

__Verdade.- Disse o Ruivo.- O coração do Vovô está fraco, a decisão é sua Jorge, mas talvez fosse melhor esperar um pouco para contar.

__Se quer minha opinião. – Disse Ben.- Ninguém naquele quarto deveria saber que aquele louco pegou Alana. Mamãe e Vovó Aline vão surtar, Vovô coitado está doente, e Alice está grávida. Essa informação só vai complicar tudo lá dentro.

__Também acho. – Suspirou.- Mas não vou mentir. Responderei o que Alice perguntar.

__Então querido.- Disse Lia.- Precisa estar convencido que encontrará sua filha, e que ela estará saudável e sorridente como antes. Sua mulher saberá se tentar engana-la. Lembre-se, você é o porto dela, precisa acalma-la. Onde está seu celular? Tem o telefone da floricultura?-Jorge pegou o celular e encomendou 20 dúzias de rosas vermelhas mescladas com 20 dúzias de margaridas brancas. Diana viu tudo, e não podia acreditar que julgou tão mau esta família tão amorosa. Estava muito surpresa e confusa, principalmente sem entender como as flores poderiam ajudar Liv, a bailarina a controlar seu irmão. Por que era evidente que aquilo era algum tipo de plano.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s